domingo, 3 de agosto de 2014

TUMULO DE FERNÃO GOMES DE GÓIS

Texto retirado de uma publicação editada pela Câmara Municipal de Carregal do Sal, a quem agradeço.

* Sob o arco gótico-manuelino, a Igreja Matriz de Oliveira do Conde, monumento nacional, abriga o túmulo, em pedra de Ançã (calcário branco) jacente do cavaleiro FERNÃO GOMES DE GÓIS, pousado na banda do Evangelho, encostado à parede e desprovido de dossel ou arcossólio, assente sobre quatro leões de juba cerrada e patenteada. A estátua mede dois metros de comprido, mostrando a arca tumular o corpo e cobertura profundamente lavrados.
* Este monumento tem o singular e raro interesse de ser uma peça datada e assinada. Virgílio Correia considera-o o túmulo mais importante da primeira metade do século XV, existente em Portugal.
* Sobre a genealogia de Fernão Gomes de Góis apenas se poderá afirmar - segundo os melhores linhagistas - que a família de apelido Góis (arcaico Goes) descendia de um aventureiro asturiano, que foi companheiro do Conde Dom Henrique, seguindo, após a morte deste, a bandeira e hostes do filho Dom Afonso.
* FERNÃO GOMES DE GOES, o inumado no sepulcro, era filho de Gomes Martins de Lemos e Mécia Vasques de Goes. Foi camareiro-mor de Dom João I, que o armou cavaleiro em, 1415, na tomada de Ceuta. Recebeu grandes mercês de Dom Duarte e no ano de 1453, ainda era vivo, como se depreende por uma carta concedida por Dom João V, confirmando o privilégio da passagem de caminheiros por Oliveira do Conde; em cujo documento o monarca denomina-o como "cavaleiro de sua casa".
O túmulo do visado no texto.

A foto só foi possível pela disponibilidade do ilustre amigo, Senhor Lino Ferreira Dias.